Arquivo do mês: julho 2009

Melhora na postura do adulto: um dos pontos fortes dos benefícios das aulas de ballet clássico da Profª Karen Ribeiro – Studio Ana Esmeralda


Estamos na mídia… discretamente como sempre!

http://blogs.abril.com.br/ego-famosos/2009/07/ana-carolina-faz-aula-bale-para-concorrer-como-miss.html

http://ziptop.uol.com.br/site/noticias/variedades,canal-6,ed-239,ct-764,cd-207007.htm

Quem já me viu em cena dançando kitri no 3º ato de don quixote reconhecerá o figurino…

Dar aulas para adultos é muito diferente de dar aulas para crianças e adolescentes, e não apenas pela maturidade caracteristica desta faixa etária, mas principalmente pelos padrões posturais que o aluno já possui.

Posturas erradas por ficar sentado horas na frente do computador ou atrás de uma mesa, de carregar filho pequeno, de lordose exagerada, de cifose… de carregar mala pesada em um ombro só, etc. Falta de exercício físico que tonifique e alongue a musculatura…

Professores bem preparados e sempre atualizados, que consigam olhar individualmente para o aluno fazem toda a diferença no ensino do ballet clássico. Um dos principais e primeiros benefícios observados pelo aluno é uma melhora em seu padrão postural. Com fortalecimento da musculatura de sustentação e alongamento da muculatura de apoio.

Ana Carolina Moreira, ex-BBB, procurou as aulas de ballet justamente com este propósito, melhorar seu padrão postural, conferindo elegancia, sutileza alongamento e força, sem perder a naturalidade!

Um grande beijo a todos e abaixo uma foto da Aninha logo após sua primeira aula de Ballet clássico com a professora Karen Ribeiro:

Ana Carolina Moreira - em sua primeira aula de ballet no Studio Ana Esmeralda coma professora Karen Ribeiro

Ana Carolina Moreira - em sua primeira aula de ballet no Studio Ana Esmeralda coma professora Karen Ribeiro

Um beijo carinhoso a todas e todos!!!

Tia Ká

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em A DANÇA: BALLET CLÁSSICO SEMPRE!, Uncategorized

Oficina de DANÇA CONTEMPORÂNEA COM ANDRÉA PIVATTO – no Studio Ana Esmeralda


Queridos é com imenso prazer e honra que trago até vocês o 1º Curso de férias do Studio Ana Esmeralda. E Nada melhor do que começar em grande estilo!!!

E trazemos então ANDRÉA PIVATTO com sua oficina de dança contemporânea, nivel intermediário e avançado, com carga horária de 9h, e investimento de R$50,00 aula avulsa ou R$300,00 curso fechado.

Com certificado emitido pela Associação de Cultura e Arte flamenca do brasil e assinado pela bailarina, professora e coreografa Andréa PIvatto.

Contamos com a participação de todos para incrementação de seus curriculuns e experiencia em dança!!!

Um grande beijo,

Karen!

oficina dea

3 Comentários

Arquivado em Aulas, Cursos, Workshops e afins!!!

Sobre começar o ballet quando adultos e a profissionalização…


Todas nós já ouvimos que ballet clássico é apenas para crianças, e blá blá blá, mesmo com a grande procura acontecendo e escolas tendo que se adaptar a crise a as novas alunas e alunos…

Em nossa comunidade no orkut, passamos recentemente por essa discussão, e ela ficoubem enriquecida com a participação calorosa e apaixonada de nossas bailarinas adultas.

E para abrir o meu “diário” trouxe essa disciscussão para este espaço de reflexão…

Na última sexta-feira tive o prazer de receber uma nova aluna para uma aula experimental, ela já é formada em ballet e há anos faz aulas em uma mesma academia.

Como sabem tenho um trabalho diferenciado, onde procuro desenvolver o máximo de limpeza tecnica em minhas pupilas. E minha aula é toda baseada nisso. E a construção metodológica da aula faz com que isso se desenvolva de forma ainda mais lógica para o bailarino que a executa, faze-lo de modo mais ‘natural’ possível, aquecendo cada articulação pedida no desenvolvimento da técnica.

No desenvolvimento da aula fiz minhas correções posturais costumeiras, que muitas vezes vemos passar desapercebido pelo professor ou mesmo pelo aluno que numa sala lotada às vezes não direciona seu ouvido adequedamente na correção daquilo que é mencionado de forma geral pelo professor. E minha nova aluna se surpreendeu.

Ao final da aula ouvi algo muito gratificante, para alguém como eu que me dedico exclusivamente a formar bailarinos que se propõem a começar depois de adultas.

Ela disse: eu adorei a aula, e daí dá para notar a diferença entre fazer aulas numa academia de dança onde a preocupação é ganhar dinheiro, onde o professor não está atento ao aluno (até por uma concepção política da escola onde leciona) e fazer aulas em um studio onde a preocupação é FORMAR BAILARINOS PROFISSIONAIS.

aff… meu sorriso rasgou-se de canto a canto em meu rosto. Uma satisfação enorme encheu meu peito de professora-educadora. Ou seja, estou conseguindo de fato fazer do meu trabalho direcionado ao adulto a aoportunidade séria de um aprendizado completo, pois para educar alguém a ser um profissional o aprendizado deve contemplar a idéia do completo, mesmo que para ser completo ele busque em outras fontes, mas saber que estou sendo uma dessas fontes, é muito gratificante!

Um beijo no coração de todas e todos!

Tia Ká!

25 Comentários

Arquivado em Diário de uma professora de BALLET CLÁSSICO PARA ADULTOS...

É preciso saber viver!!! Com vocês apresento: Heydi!


ESTRELANDO – HEYDI bailarina, professora…

“Entre viver em busca da realização de sonhos e a realidade monótona: nossas escolhas definem o alcance de nossos passos.”

Começo os posts de Julho/2009 com uma pergunta…

Pois acredito que todos que aqui visitam, passam, participam, enfim, que se cruzam com este blog tem algo em comum: um sonho. O sonho da arte da dança clássica… o ballet!

Então responda: se houvesse hoje a possibilidade de ir atrás de seu sonho o que você faria…

** Abandonaria o sonhos, deiraria-o para trás, e viveria a monótona realidade dária, buscando ‘sobreviver’ cada 24h, poupando-me de riscos sentimentais, financeiros, emocionais… baseando meu ser e sentir em atitudes e estilos superficiais… ou…

***Abandonaria a certeza do que dá certo mas não preenche, não me realiza… que não me completa, dando sempre a sensação de que poderia ser mais que isso,  e preencheria minha vida ao trilhar a busca da realização dos meus sonhos, mesmo que isso significasse correr riscos mais ousados, buscando realização, entrega, e completando-se a cada estrela alcançada?!

Eu escolhi a segunda opção… E assim como muita gente, a Bailarina homenageada neste mês também!

Mas ainda digo, na escolha por viver um sonho nada precisa ser de fato radical… Escolher voltar para o ballet depois de adulta, ou iniciá-lo adulta, pode ser i íncio de muita coisa.

Muitas mudanças nos acompanham quando decidimos enfrentar medos e desafios e buscar algo que nos emociona, que nos dá sentido. Ao entrar na sala de aula, passamos imediatamente para um mundo outro, onde ali dentro temos que olhar de frente, abrir o peito, alongar a coluna, crescer a nuca, alongar os movimentos… Dentro daquela sala de aula temos que adotar uma nova atitude. Atitude essa que para ser mantida precisa ser treinada com meus músculos e articulações, bem como ser sentida e musicalizada.

E além de uma tomada de decisão, passa a ser estilo de vida. Ao retificar padrões posturais adquiridos ao longo do tempo, para mante-los por aquelas 3 horas no Studio de ballet, vou mudando meu estilo de vida. Passo até a me alimentar melhor… pois tudo isso, toda essa tecnica vem envolvida com histórias que alimentam a alma… os ballets de repertório, as criações neo-clássicas, o corpo que começa a expressar o que sente e pensa através de movimentos sutis e fortes, frágeis e poderosos, o corpo que começa a dançar, a expressar e a falar… Mudanças para a sala de aula e para a vida…

Mudanças de dentro pra fora… que alteram para o bem o nosso estilo de vida.

Desta forma a bailarina homenageada do mês de julho nos conta a partir do seu depoimento qual foi a escolha que fez.

Ficha técnica:

Primeiro papel: Heydi Milhose

Ballet: “História do ballet – minhas vivências”

“Aos 12 anos eu com a minha irmã de 9 fomos fazer ballet na igreja do bairro, era de graça então dava pra gente frequentar…………….ODIEI………….de verdade eu odiei, doia muito, somente  nós duas como alunas…………….achei as aulas paradas e sme graça, queria uma dança diferente, mais agitada, eu erauma das meninas que mais dançava “nosd bailinhos”, rs. Resolvi que queria fazer Jazz. Minha irmã ficou mais um tempo, fez um teste na escola municipal de bailado de sao paulo e passou e eu nem o teste pude fazer pois já estava com 13. Também não queria, nem sei o que fui fazer lá. Somente aos 17 anos, minha mãe pode pagar uma academia e me matriculei no jazz, apesar da falta de alongamento(até hj) me sobressaí das outras alunas, um ano depois entrei para o grupo da academia e fiz papeis principais, solos. Meu professor me colocava em quase todas as coreos. Nos finais das apresentações vinham mães de amigas, outras professoras, amigos me elogiar e me parabenizar……………………..até que ouvi de um professor “VC PRECISA FAZER CLASSICO”, VAI FAZER MUITO BEM A SUA DANÇA. Isso aos 20 anos já, então entrei em outra academia de ballet. A professora (não existia naquela epoca Ballet Adulto) me colocou em uma turma avançada de pontas e me mandou pegar uma ponta que estava ali e colocar. DESASTRE!! Senti no meu joelho esquerdo um choque, não parei……segundo choque….insistí…..terceiro choque e parei. A professora nem conhecimento teve, avisei a ela do que tava sentido nos joelhos e tentei disfarçar a vergonha de estar ali aos 20 anos com meninas de 12 maravilhosas). Saí de lá e fiquei 3 dias (serio gente) com a região do joelho onde senti os choques adormecida, não sentia a pele parecia morta e NUNCA, NUNCA mais voltei ao ballet. Fiz trocentos cursos de jazz, Kaká d’avila, mario nascimento, breno mascarenhas, roseli rodrigues, joyce Kermann e ballet só qdo estava incluso no pacote.

Dancei por mais alguns anos, tive dois filhos a grana ficou menor, o tempo idem, até que PAREI……………….aos 32 anos. Me arrependo porque tive oportunidade e não aproveitei………………………….. A

os 42 anos retornei/comecei o ballet classico. DIFICULDADES? todas e mais algumas…………………….não sei se terei tempo pra superá-las, um sentimento me corrói por dentro e que não desejo a ninguem………….ARREPENDIMENTO. A idade é implacavel, o envelhecimento é uma deficiencia de força, de flexibilidade, de equilibrio, de  condicionamento. Já chorei muito, escondida, depois de minhas aulas (quem me conhece  já sabem das minhas historias).

SUPEREI!! Com muito incentivo das meninas daqui na comu, puxões de orelha e carinho que tive delas. Segui a risca as dicas das amigas orkutianas, e lição de casa  até hoje.

Heydi Milhose - bailarina de pano!

Heydi Milhose - bailarina de pano!


Hoje eu amo de paixão o ballet clássico. Qdo coloco a mão na barra, e começo os exercícios eu sou apenas a heydi bailarina. Não sou esposa, mãe, dona de casa. Sou apenas uma bailarina.”

ballet5.JPG

Bom…

Inspirem-se!!! E aproveitem a oportunidade agora, que você fala “ah, se eu tivesse começado com 15 anos…”, para mais tarde não parar de novo e falar: “ah se eu tivesse aproveitado a oportunidade de e começado aos 30, 40…”

Um beijo carinhoso,

Tia Ká

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized