Arquivo do mês: fevereiro 2010

Quem disse que não existem dificuldades em ser professora de Ballet para adultos…


Quem disse que não existem dificuldades em ser profissional do ballet, da arte da dança clássica, quando se quer fazer dela acesso universal?!

Outro dia uma aluna minha (dospassosdabailarina) fez um desabafo: porque o ballet clássico era a unica arte que ela não podia aprender sem precisar pensar em ser uma primeira bailarina do bolshoi, ou ser tratada desta maneira pelos professores… ou seja:

– se ela quisesse entrar para um conservatório de musica para aprender violão, ninguém lá a olharia feio se ela não fosse um violonista de grande talento;

– se ela quisesse aprender a pintar, que ela poderia faze-lo em muitas escolas e a expectativa das pessoas não seria de que ela se tornasse um van gogh…

– e por aí ela lapidou inúmeras outras possibilidades artisticas nas quais você aprenderia, poderia experimentar o fazer, e muitas vezes lapidar seu talento e trabalho… afinal gênios ao meu parecer nascem gênios…

O que eu acho?!

Que ela está certíssima.

Porque eu não posso entrar para uma aula de ballet clássico sem ter a pretenção de me tornar uma primeira bailarina?! Ou mesmo e se eu nem mesmo almejar subir no palco????

Diariamente tenho que me lapidar para este entendimento, pois quando eu recebo uma aluna talentosíssima no ballet adulto dá uma vontade de transformar… rsrsrs eu incentivo extrinsicamente, dou os instrumentos corporais necessários, posso falhar em algumas coisas, mas maestro ou mesmo professor completo são bem poucos… O intrinseco é particular e tem seu momento.

OU seja… 

Eu amo dar aulas de ballet clássico para adultos. Sabe por que?

Vamos lá…, rs:

1. Porque é o adulto, é você quem decide fazer, e ir à aula e também a não ir…

2. Porque é você quem me dá o caminhodaquilo que precisa para compreender o que preciso passar para a execussão e depois para o dançar…

3. Porque rimos dos problemas, choramos os problemas, e transformamos tudo isso em dança e em arte.

4. Porque podemos fugir um pouco ou muito ou totalmente de buscas pela perfeição tecnica, artistica e estilisticas em um ou muitos momentos.

5. Porque o maior desafio já enfrentamos que foi o de optar pela sala de aula com espelho, barra, pianista, ao invés de puxar ferro e andar de bicicleta ao som do bate estaca. (grosseiramente).

6. Porque temos a consciencia da transformação diária que acontece em nossos corpos muitas vezes encurtados pelo uso no dia a dia do trabalho, das posturas emocionais, da inadequada (mas muitas vezes unica possível) alimentação…

e muitos outros porques…

E o melhor… porque quando conseguimos eu, e vocÊ, fazer um exercício virar magia, virar dança… tudo isso aí de cima fica tão pequenininho…

Então o que eu digo hoje, quando me deparo com a dificuldade em continuar minha formação como professora de ballet é… sozinho se vai mais rápido, porém juntos mais longe.

Continuarei buscando aqueles que acreditam na importancia de possibilitar o acesso à arte do ballet clássico àqueles que desejam fazer dela mais que uma movimentação e uma dança, e sim um estilo de vida. Continuarei buscando um trabalho conjunto.

Porque eu não faço nem farei de qualquer jeito o acesso a esta arte que amo e respeito tanto, só porque a chance de formar um gênio da dança clássica seja menor porque trabalho com adultos (não digo e nunca direi chances nulas, pois a vida está ai nos mostrando a cada dia mais que trabalho, suor, humildade e empenho é que revelam os grandes talentos)…

 Eu tenho dentro da “minha” sala de aula mulheres e homens que já brilharam muito nos palcos como bailarinos clássicos e contemporâneos e isso além de uma grande honra é uma imensa responsabilidade. Pois estes homens e mulheres sabem perfeitamente o caminho do ballet… o caminho técnico e o caminho da vida…

E se voltaram… é porque está valendo a pena.

Obrigada!!!

"Encuentro" - bailarina Karen Ribeiro no solo: Ana Esmeralda

14 Comentários

Arquivado em Uncategorized