Arquivo do mês: abril 2011

Sou bailarina.


Criança, adolescente, adulto, idoso. Tem idade para ser bailarina?!

Não, não tem idade para ser bailarina.

“Ser bailarina” é muito mais do que abrir um grand ecart a 180 graus, ou mesmo ser flexivel e alongado. É muito mais do que ter eixo (facilidade para giros) e ser magra. É muito mais do que andar de coque e roupa de ballet.É mais, MUITO MAIS.

“Ser bailarina” é um ESTILO DE VIDA. É ter disposição todos os dias a melhorar aquilo que você pode ter julgado bom desempenho no dia anterior. Ser bailarina é dedicar-se, é respirar ballet.

Daí você se pergunta… ah mas daí tem que viver para isso, eu tenho que trabalhar…

Mas você pode muito bem ser bailarina e não exercer a profissão bailarina. Muitas bailarinas e bailarinos que exercem essa função às vezes podem apenas estar bailarino e não ser.

Você não está entendendo?!

Vou tentar explicar…

Se vocÊ está lendo esse meu texto sabe muito bem que eu dou aulas de ballet clássico com foco no adulto, principalmente aquele adulto que quer iniciar o ballet clássico. Hoje eu tenho uma escola de formação em ballet clássico para adultos. Mas de qualquer forma eu me capacito diariamente a ter a possibilidade de dar aulas de formação em ballet clássico para todas as idades, mas meu foco é o adulto.

Mas não necessariamente dar aulas de ballet é formar bailarinos. No meu caso é.

Porque. Porque Ballet Clássico é arte. É necessário muito mais que fazer plies para esse plie entrar no tempo musical, como se as notas musicais estivessem saindo pelos poros do bailarino e tocando os olhos de quem o assiste. E essa arte requer mais que um treino físico.

Então eu procuro formar amantes do ballet clássico capazes de transformar movimentos em sonhos. Como diria a minha maestra, quem vai assistir a um ballet vai se transportar para um mundo de sonhos durante algumas horas. E nesse momento ele precisa ser encantado com a capacidade dos bailarinos da ultima fila do corpo de baile ao principal em transformar sua realidade em sonho, em leveza, em momentos inebriantes!

E para isso existe uma essencia… uma busca, constante.

Meus alunos são bailarinos. Conheço cada um, cada endehor, cada musculatura, cada sorriso, cada forma de pensar, penso junto com eles… se eu tenho poucos alunos… não, não tenho poucos (graças a Deus) mas eu não penso nessa quantidade e sim vejo cada aluno como unico, e dou a ele tudo o que sei como a um primeiro bailarino em formação… Não que eu seja uma primeira bailarina, mas graças a Deus em meus 25 anos de ballet clássico tive a oportunidade de ter sido “treinada” com alto grau técnico, para ser solista, e que me garantiu uma história que eu nunca pretendi mas que aconteceu. Mas nõa aconteceu por que eu tava parada. Aconteceu porque alguém acreditou em mim, mesmo com todas minhas particularidades, enxergou em mim uma artista e investiu e nessa contrapartida eu respondi com meu suor, com meu choro, com minha alegria, com minha dor, com sim meus momentos de sofrimento e de vontade de jogar tudo para o alto, mas o ballet não é para fracos (no sentido emocional).

O ballet clássico (falo como se fosse uma entidade, né?!) é um desafio constante. A perfeição técnica é inatingível até para o nível de qualidade técnica da Svetlana Zakharova… E olha que para uma mortal como eu ela é já uma perfeição inatingível.

O ballet clássico requer o seu empenho diário e a sua dedicação em transformar seu corpo e possibilitar que ele realize movimentos dificilimos que inclusive desafiam a gravidade… e o mais difícil de tudo, ele precisa encantar. Pois cada passo cada compasso corresponde uma interpretação, um sentimento, um desempenho artista.

Ele te desafia, te cansa, te exaure não apenas fisicamente, mas emocionalmente. Parece que ele quer sugar toda a sua essencia para que quando você dance essa essencia exploda em movimentos, em respiração, em leveza, em graça, em ARTE.

Ahhh, mas eu to velha, ou to gorda ou sei lá… sou baixinha, sou en dedans, sou sei lá o que eu sou. Me importa a seguinte: VOCÊ QUER SER BAILARINA?! Você topa o desafio de transformação que o ballet te faz?!

Não pode ter medo. Mas pode temer. Porque é assustador, deliciosamente assustador o que você pode fazer quando se decide a ser e não a estar.

Daí você pensa mas tem milhares de pessoas que tentam, tentam e nunca conseguiram. E eu pergunto: MAS ESSA PESSOA QUIZ DE VERDADE? Ela aceitou o desafio de APRENDER A APRENDER?! Porque um bailarino vai passar a vida toda aprendendo independente da idade e do tempo que tem de função nesta área. O bailarino tem que dar o seu melhor todo dia, tem que ter humildade de errar, porque você vai errar e vai nõa saber todos os dias. O bailarino vai ter que se calar para poder pensar e transformar o pensamento em ato.

E eu posso garantir que essa é a maior dificuldade do bailarino. O resto a gente treina, alonga, molda o corpo.

E vou te dizer hoje foi o dia em que todos tentaram fazer eu parar. Mas eu não para eu aceito o desafio. Se mesmo após uma seuqencia belíssima de fuettes eu ouvi que minha bunda é muito grande e eu jamais serei capaz de fazer essa sequencia de forma bela, eu vou dizer sempre fui surda a quem me disse na vida que eu não iria conseguir. Eu não desisto simplesmente porque é difícil ou porque as pessoas estão acostumadas a pensar em padrões que realizam coisas e outros padrões não realizam.

É isso que eu falo: eu vou fazer, eu aceitei o desafio que minha maestra me deu no dia em que eu entrei na sala de baby class (ela fazia questão de acompanhar todas as crianças do baby ao primeiro ano e depois do quinto e daí para frente) e disse ao meu pai que ela queria me formar. É esse desafio aceito que eu estou aceitando de novo aos 34 anos voltando a treinar como bailarina de alto padrão tecnico. Invisto nisso.

E sabe porque eu re-comecei?! Porque meus alunos pediram para eu não parar de dançar… Porque eu invisto em meus alunos um a um como se fosse o único aluno que eu tivesse e dou a ele aquilo que posso e sempre me empenho a dar ainda mais todos os dias para que ele seja BAILARINO.

E eles são. Todos os alunos do BalletAdultoKR® são bailarinos. Respiram, estudam, se dedicam, se propuseram a mudar posturas diárias, a mudar corpos, a dar leveza. Aceitam o desafio de se passar por ridículos para aprenderem a transformar sonhos em realidade… pois é isso que fazemos para nossa plateia, concretizamos seus sonhos, e nesse caminho realizamos os nossos.

Mas e se ele não quiser ir ao palco?! Não precisa! Tornar possível fazer ballet clássico e ser bailarino nõa precisa ser subindo no palco… pois nosso maior palco é nossa vida.

Mas e se eu quiser fazer apenas como atividade física? Ok! Vamos ver se voCê nõa vai se apaixonar pois tem repetições e sequencia cansativas que só por muito amor!!! rsrsrs Mas bora lá, se permita encantar… Pois eu vou ser muito sincera… se alguém procurou o ballet clássico ele quer muito mais que uma atividade física… ele também quer uma atividade para o seu coração… para sua alma.

Se eu me acho?! E faço meus alunos se acharem?! DE FORMA ALGUMA, pois PARA SER BAILARINO VOCÊ PRECISA SER HUMILDE. Você tem que construir etapas de desenvolvimento. Você tem que aceitar que você não é aquilo que desejava ser e então a partir daí se transformar no que deseja, mesmo que essa transformaçõa não tenha fim! Essa é a graça, o desafio diário…!

Se você nõa é humilde, você adoece, seja emocional ou fisicamente. E nõa é o que proponho. Proponho ao meu aluno primeiro se conhecer. E quer arte melhor que esta que te põe em contato direto com você mesmo e te “auto-desafia” para você começar a se conhecer?!

Porque de verdade, não tem como mudar aquilo que você não conhece… Eu não transformo ninguém… minha função como professora é te INDICAR O CAMINHO.

beijos iluminados com olhos marejados,

Tia Ká

Minha maestra Natalia Zemtchenkova e eu (Karen Ribeiro) antes de uma de nossas aulas! Ela me ajuda a me transformar a cada dia na bailarina Karen Ribeiro! Obrigada Maestra, amor.

Anúncios

47 Comentários

Arquivado em A DANÇA: BALLET CLÁSSICO SEMPRE!, aulas de ballet clássico, bailarina, ballet, ballet adulto, ballet adulto iniciante, ballet clássico adulto, blog de ballet, Cartas a uma jovem e adulta bailarina!, Diário de uma professora de BALLET CLÁSSICO PARA ADULTOS..., Histórias de vida de bailarinas adultas e reais!, Uncategorized