Arquivo da tag: karen ribeiro

Feedback 2 – “Tia, eu estou indo bem?! Eu melhorei?!”


Olá Queridas bailarinas e bailarinos!

Confesso que estava com dúvidas sobre o que de fato escrever… Mas ontem após uma conversa de longa distância sobre posts antigos, histórias antigas e atuais, alguém sugeriu: “Ah, Tia! Escreva sobre como estamos indo! Feedback 2!”. Ok!
Quando eu escrevi o primeiro feedback estávamos traçando os caminhos da formatação de nossa “escola de ballet clássico especializada no ensino para adultos”, ja éramos em muitos porém não tão próximos uns dos outros como estamos hoje! É incrível, como de verdade isso vai se construindo, essa proximidade/amizade! Hoje temos uma grande proximidade que me fez lembrar dos tempo de Ballet Ana Araújo, trabalho sério mas de amor profundo. A Ana é mágica e magnífica, na sala de aula, no palco, na conversa na salinha, até na bronca! E eu sempre achava que estava em minha segunda casa, minha segunda família, laços esses que eu jamais quebrei, muito menos o amor, a admiração e até certo ponto a devoção.
A Ana Araújo dentre muita coisas me ensinou a proximidade, a amizade, a bronca para o crescimento. O dito: “temor reverencial”. Ver quando ela de fato se alegrava com algo que nós fazíamos era de uma iluminação única. A mão dada, o olhar com lágrimas, os corações batendo juntos e ao mesmo tempo (mesmo que totalmente arrítmicos!)… tem quem chame de confraria, eu chamo de amizade verdadeira daquelas abençoadas pela arte. E junto com tudo isso o seríssimo trabalho de Ana Araújo e sua escola que já levou bailarinas e bailarinos para o exterior, e grandes companhias brasileiras (;p). Ou seja ela é endeusada por nós suas eternas bailarinas e por todas aquelas que já passaram por suas hábeis mãos de formadora de bailarinos, porém ela é humana e por isso amiga, diretora, mãezona, coreógrafa, professora. Eu me inspiro muito em Ana Araújo, pois ela foi e sempre será alguém extremamente importante = deu-me o espaço que eu precisava para voltar a ter muito tesão/prazer em dançar. Dançar com ela, com Roseli Rodrigues, jogar a cabeça, rapidamente, giros, pernas, olhar, carão e MUITA TÉCNICA! Obrigada!
A proposta do ballet clássico para adultos na minha escola é séria. E tem a ver com o rápido crescimento e desenvolvimento que meus alunos e alunas apresentam em sala de aula. A grande maioria matriculada mais que 2x na semana, porém com grande crescimento também visto nos alunos que infelizmente não podem, não conseguem, fazer mais de uma vez na semana.
Já disse em outras ocasiões que boa formação a gente não perde. Acredito muito nisso levando em conta inclusive que os ensinamentos recebidos por nossos pais se perpetuam em nossa vida sejam eles bons ou ruins. Eu agradeço diariamente aos meus pais os caminhos que eles me traçaram, aqueles que fizeram comigo de mãos dadas e atualmente essas mãos dadas via linha do coração, pela distância.
Desta forma acredito que a formação solida, a busca crescente pelo meu desenvolvimento como professora, e a sempre oportunidade de aproximação com meus alunos-pupilos-bailarinos me faz crer que estou no caminho certo. A gente não se entrega ao conhecimento que não acredita. E esse acreditar é no que esta sendo passado, em quem está passando e em si mesmo.
Ao ser extremamente minuciosa ao dar a aula descrevendo a musculatura que deve ser acionada, vendo isso no corpo do meu aluno através de olhos treinados anteriormente (minha segunda formação), e a seriedade no ensino concreto da arte do ballet contribuem para essa segurança que vejo crescendo no meu aluno. Não é apenas uma questão de movimentação escrita em livros, mas dançada de forma interligada e com sentimento. Sentimento esse que para existir precisa de algo mais, um toque de um certo “pirlimpimpim”- rs! E então os passos deixam de ser 1, 2, 3 fuette, e passa a ser um momento em que a plateia segura o ar, deixando as mãos preparadas para aplaudir… enquanto a bailarina vai sentindo esse coração dançante disparado, deixando a música sair pelos seus poros, mas não deixando de pensar em 1, 2, 3, perna, en dehors, etc etc etc. Mas o sentimento está lá saindo em forma de musica, de leveza, de passos tecnicamente treinados, buscando a execução perfeita.
Faço questão em minha sala de aula de fazer, de deixar acontecer, essa “magia”. Pois dançar vai além de físico perfeito ou apto à, vai além de saber fazer o passo. Para Dançar também tem o que de dominar o medo: o medo de errar, o medo de não ser perfeito como eu imaginei que pudesse ser, o medo de algo dar errado – pois sempre dá!… Ao final de cada aula eu faço o reverance. É um momento oportuno para aprender a lidar com esse sentimento+técnica, depois de uma aula, agradecer aos alunos, ao público, à Deus (seja ele o Deus de cada um – não falo de religião simplesmente e sim de crença, de fé…) agradecemos aos professores. O aplauso ao final de cada aula, vai dando o “aire” que o bailarino aprendiz foi buscar, dentro da sofisticação do ballet clássico!
Todo espetáculo de fim de ano tem um pouco de “formatura”, mesmo que não seja de fato a formalização do ensino técnico completo do ballet clássico, mas daquele ano que ele tanto estudou, que ele se dedicou… e este ano tivemos formaturas maravilhosas… Duas técnicas: Priscila Carvalho e Simone Kneip Cavalheiro! Hoje Priscila faz parte da equipe de professoras de minha escola e Simone só não o faz concretamente (sendo professora substituta) pois acaba de entrar para o mestrado! A Priscila (ou Pricupi) é doutora em Biologia pela USP!
Onde entra o feedback, Tia?!
Entra nisso tudo, fiz um para mim primeiro, rsrsrs (adendo!).
Após essa formatura e esse espetáculo, recebi minhas alunas e alunos de volta (ou a maioria, pois houve quem ainda não voltou, haverá quem não voltará e também quem demorará, mas volta) deixei-os a vontade com suas novas e grades e neste primeiro mês PUXEI, puxei mesmo as aulas! Houve quem foi para um grau mais avançado, houve quem permaneceu no mesmo tecnicamente por que ainda precisa limpar muita coisa, ou mesmo aprender de fato… Coisas extremamente comuns no ballet e que em nada tem a ver com “eu não sirvo” ou “eu nunca vou conseguir”.
Tem a ver com o ensinar e o aprender! Tem corpos e corpos , musculaturas e musculaturas! Mas todas melhoraram muuuito!
E se eu disser que parece que o espetáculo deu a vocês a certeza do estudo que desempenharam ao longos desse ou desses anos vai ser a mais pura verdade! Se eu disser que vocês hoje estão seguras de que podem, de que o estudo e o treino valem a pena, e que com isso estão cada dia indo mais e mais a frente e que eu me arrepio de vê-las a cada dia mais belas e mais bailarinas… é a mais pura verdade.
Hoje esse post vai dedicado a todas vocês minhas alunas e em especial para uma bailarina linda… a Rew Torres. Ela é humilde, sincera, honestíssima. Aplicada, discreta, faladeira (se eu não escrevesse vcs iam chorar sem rir!), pirueteira, linda bailarina. (não comentei o en dehors… bom deixa para lá…  rs) Linda amiga, inclusive. Ela tem potencial e possibilidades de solista e esse ano já ganhou seu belíssimo papel, e sim será solista POR MERECIMENTO TÉCNICO DE BAILARINA. Seu papel, a jóia raríssima que ela é… Rew! Você me supreende positivamente e muito a cada aula, e me encanta como amiga a cada dia! Obrigada!

Beijos a todas bailarinas e bailarinos que acham que foram mal na aula de hoje, que não ficaram satisfeitos com sua performance, que se acham muito ruins e acham que suas dificuldades são insuperáveis: a pior dificuldade é a de não acreditar! E tem dias em que nada da certo, que as estrelas e luas estão em organização não próprias para piruetas ou mesmos simples plies… rs
Ah! ISSO TAMBÉM ACONTECE COM SEUS PROFESSORES! Mais do que podem imaginar! rs
Mas é só não desistir de tentar, de levantar a cabeça e saber que é mais que uma linha de pé, ou uma perna alta. BALLET É MUITO MAIS. BALLET É ARTE, É DANÇA! E esse caminho alunos(as) queridos (as) do meu coração vocês já estão trilhando junto comigo: técnica + arte!
Um beijo iluminado para todos!!!
E LEMBREM-SE: EU ACREDITO EM VOCÊ! hummm.. um passo já foi dado! ;o)
Tia Ká
Foto do fundo do Blog – bailarina “Juliana Loyola” na coreografia PERMITA – “SONHOS” – 18/dezembro/2010 Teatro Gazeta


Primeira aula da ano de 2011! 10/01/2010 – Aula de básico 1/2 – segundas e quartas das 20h30 as 22h (visitas de alunas de outros níveis – a troca, o vislumbrar o amanhã sempre contribuem para o nosso crescimento!)

Anúncios

16 Comentários

Arquivado em ballet adulto, Cartas a uma jovem e adulta bailarina!, Diário de uma professora de BALLET CLÁSSICO PARA ADULTOS..., Histórias de vida de bailarinas adultas e reais!, Sobre dúvidas em passos e limpeza de movimentos., Uncategorized